Condomínios horizontais nos jardins?

Conheça os novos parques propostos para a cidade de São Paulo!
18 de janeiro de 2018
Está pronto o Caderno Preliminar de propostas do Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado (PDUI) da Região Metropolitana de São Paulo
18 de janeiro de 2018

Condomínios horizontais nos jardins?

Condomínios horizontais nos jardins?

Em matéria de 26/08/2017 o jornal Folha de S. Paulo trouxe a notícia de que o Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo (CONDEPHAAT) iniciou estudos para rever o tombamento dos centenários bairros Jardins na capital

Loteados no início do século passado pela Companhia City e tombados na década de 1980, os “bairros-jardim” caracterizam-se por guardarem lotes grandes, sem possibilidade de desdobro ou subdivisão e com ocupação restrita à unifamiliar.

No entanto, nas últimas décadas tem-se notado um esvaziamento gradual destes bairros (de acordo com a pesquisa de origem e destino do metrô e dados do IBGE), devido aos altíssimos valores dos imóveis e sua dificuldade de manutenção por muitos proprietários. Isso acaba compondo um cenário muitas vezes de abandono em alguns dos bairros mais bonitos e agradáveis da cidade de São Paulo.

Tendo em vista que estes terrenos poderiam abrigar diversas casas menores e com preços um pouco mais acessíveis, surge a discussão sobre a revisão do tombamento das áreas, que passariam a permitir condomínios horizontais que mantivessem as taxas de ocupação e permeabilidade atuais do bairro, mas que trouxessem mais famílias para a região, com maior segurança.

A questão tem se mostrado bastante polêmica: grande parte dos moradores dos Jardins são contrários a essa mudança e, levando-se em consideração planos como o do ex-prefeito Haddad, de abertura de ruas comerciais na região, em 2015, sofreram pressões dos moradores a ponto de não serem levados adiante, chegar a um consenso exigirá um extenso trabalho de convencimento.

Quem defende a mudança argumenta que ela traria inúmeros benefícios para construtoras e imobiliárias atuantes na região, gerando maiores oportunidades de negócios para mercados menos restritos. Além disso, aumentaria a circulação de pessoas e, consequentemente, a vida e segurança dos bairros.

O que você acha dessa ideia? Vamos te mantendo informado!

Irianna Steck

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *